segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Paraíba tem incidência de 80 mil raios por ano e Sertão lidera em número de ocorrências.

Embora o verão seja conhecido como época de muito calor, no Nordeste a incidência de chuvas é bastante notória; muitas vezes as precipitações vêm acompanhadas por raios, que na Paraíba somam cerca de 80 mil ocorrências por ano.
Os dados são do Grupo de Eletricidade Atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que considerou a quantidade baixa em relação a outras localidades do país. A Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba informou que o estado não possui equipamentos de medição precisa para o registro do fenômeno.
Segundo o instituto, o verão é a época do ano de maior incidências de raios e na Paraíba a cidade líder em ocorrências do fenômeno é Malta, no Sertão Paraibano; a cidade sertaneja conta com uma média de 6,72 raios por quilômetro quadrado ao ano.
O município de São José de Espinharas, também no Sertão da Paraíba ocupa o segundo lugar entre as localidades de maior registro de raios no estado; são 6,02 raios por por quilômetro quadrado ao ano. Em terceiro lugar na incidência do fenômeno está o município de Santa Terezinha, que também é uma cidade sertaneja; a localidade conta com uma média de 5,83 raios por por quilômetro quadrado ao ano.
A cidade que ocupa a quarta posição é Patos, a maior cidade do Sertão da Paraíba está em quarto lugar no ranking das cinco que mais têm quedas de raios; município tem em média 5,81 raios por quilômetro quadrado ao ano.
A cidade de Princesa Isabel apresenta com incidência média de quedas de raios, com 2,34 raios por quilômetros quadrados. Os raios são fenômenos de descargas elétricas formadas a partir do aumento da concentração de cargas no centro positivo e negativo da nuvem; após o excesso de carga, o ar presente nas nuvens passa a ser insuficiente para fazer o isolamento e ocorre a descarga.
Umidade do ar, proximidade do mar e frentes frias podem influenciar na formação do fenômeno. Se possível, não saia para a rua ou não permaneça na rua durante as tempestades, a não ser que seja absolutamente necessário.
AESA/PB

Reações:

0 comentários: