segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Trócolli admite adesão a Ricardo, mas definição só sai em fevereiro

O deputado estadual Trócolli Júnior (PMDB) decidiu deixar para o início do mês de fevereiro a definição se fará parte o não do Governo Ricardo Coutinho II. O peemedebista declarou que é uma tendência seguir a orientação do PMDB no apoio ao socialista tendo em vista que apenas ele e o deputado federal Manoel Júnior estão fora da aliança.
Trócolli confirmou que o presidente estadual do PMDB, senador eleito José Maranhão, solicitou a sua ida à Brasília para a Secretária de Representação Governamental, mas ele abdicou da proposta porque problemas familiares o impende de deixar o Estado.
Questionado sobre as especulações de que ele poderia assumir a pasta de Esporte Recreação e Lazer, Trócolli defendeu que o PMDB precisa de uma secretaria executiva que possa trabalhar pelo Estado e também na captação de recursos e apresentação de projetos ao Governo Federal.
“O PMDB precisa ter espaço para produzir para o Estado e não como cabide de emprego. Uma secretaria executiva, onde possamos captar recurso, levar projeto para Brasília. O problema do PMDB não é emprego, e sim, poder contribuir e colaborar com projeto o político, pois foi pra isso que ele se uniu ao PSB”, defendeu. Para Trócolli, caso o PMDB consiga o espaço almejado, não significa que apenas ele seja o indicado para o cargo e outros companheiros peemedebistas também pode ser secretario.
No entanto, Trócolli deixou uma condicionante para apoiar o governo. O parlamentar contou que votará o que for bom para a Paraíba, mas não votará em matéria que seja contra o funcionalismo público.
Trócolli lembrou, por outro lado, que já votou recentemente na Assembleia, um empréstimo do governo para construção de estradas por considerar importante para o Estado.

Reações:

0 comentários: