terça-feira, 4 de agosto de 2015

SUS gasta cerca de R$ 4 mi com internações por acidentes

A Paraíba é um dos dez estados com mais mortes por acidentes de moto no Brasil e as internações por conta de casos com motocicletas geram custos de quase R$ 4 milhões ao Sistema Único de Saúde (SUS). Os dados são do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde (MS). O governo federal pede ajuda dos Estados para reduzir os dados negativos. O estado tem 9,2 de taxa de mortalidade e assume a nona colocação no ranking nacional. O número de motociclistas mortos em acidentes saiu de 220 em 2010, para 362 em 2013, o que representa um aumento de 39,22%
De acordo com o MS, as internações por acidentes de moto mais que dobraram em cinco anos no Brasil. Em 2013, 51,8% de todas as internações por acidentes de transporte em hospitais estavam relacionadas a motocicletas.
Apesar disso, na Paraíba houve queda no número de internações desse tipo. Em 2010, 3.985 pessoas haviam sido internadas por acidentes de moto, contra 3.169 em 2014, ou seja, uma redução de 20,48%. Mesmo com a diminuição, o custo para o Sistema Único de Saúde (SUS) foi alto e chegou a aproximadamente R$ 3,8 milhões.
Segundo o Sistema de Informação Hospitalar, foram registradas, em 2013, mais de 169,7 mil internações por conta de acidentes no trânsito, sendo as motos responsáveis por 88 mil delas, o que representa um crescimento de 114% em cinco anos no Brasil.
O crescimento da frota de motociclistas no Brasil foi de 280%. No período de 2003 a 2014, os veículos de duas rodas passaram de quase 6 milhões para mais de 22 milhões em todo o país. Os dados são da Polícia Rodoviária Federal.
Prevenção
Para combater o problema, o governo federal vai agir por meio dos ministérios da Saúde, Cidades, Justiça, Trabalho e Emprego, Previdência, Educação e Transportes – coordenados pela Casa Civil.
Sete cidades da Paraíba estão entre as 322 que vão receber ações prioritárias de combate aos acidentes de moto, incluindo todas as capitais brasileiras, por terem números altos dessas ocorrências.

Reações:

0 comentários: