quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Em reportagem ao Correio da Paraíba,Coordenador do Samu de Princesa Isabel fala sobre deficiência do Hospital Regional.

Em recente reportagem publicada pelo Jornal Correio da Paraíba, sobre a situação das bases do SAMU na PB, o Coordenador do SAMU de Princesa Isabel, Leonardo Campos falou sobre como as ambulâncias do SAMU estão trabalhando no município. Com a deficiência dos atendimentos no Hospital Regional, é o SAMU que serve de transporte para pacientes em estados mais graves.
SERVINDO DE TRANSPORTE
Para a maioria dos municípios, o Samu é o quebra-galho de hospitais com serviços incipientes. Onde não há especialidades, a ambulância serve para transferir pacientes de uma cidade a outra.
Em Princesa Isabel, por exemplo, há um hospital regional, mas, segundo o coordenador do Samu no município, não há nenhuma especialidade na unidade, que presta o segundo atendimento apenas com um clínico geral, que encaminha para os grandes centros, distantes. “Toda ocorrência de trauma tem que ir para Patos ou Campina Grande, distante duas horas e quatro horas”, disse Leonardo Campos.
Se a ocorrência for em Manaíra, segundo Leonardo, é necessário uma hora para ir e voltar. Dos 223 municípios da Paraíba, a maioria ainda não tem base própria. O município mais distante, Imaculada, fica a cerca de 73 km. O Samu chega em 50 minutos, com as boas condições da estrada. Se uma pessoa sofrer um infarto nesse local, o Samu não conseguirá chegar a tempo.
"Quando o veículo sai, a região fica desassistida e o atendimento demora mais. Em Maio cobramos ambulâncias do Estado. Ficaram de comprar e ainda não fizeram. " Destacou Leonardo.
SB/PORTAL CORREIO

Reações:

0 comentários: