segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Especialistas dizem que sem financiamento privado, doação ilegal deve crescer

O fim do financiamento privado de campanha pode dar brechas para corrupção e vai favorecer partidos que já tem estrutura bem desenvolvida, afirmam especialistas contactado pelo iG. Em ano de eleições municipais, as legendas terão de trabalhar com a novidade do fim das doações de empresas para campanhas, que foi decidida no ano passado e fazia parte da pauta da reforma política no Congresso. Com a nova regra, apenas pessoas físicas podem doar e o valor não pode ultrapassar 10% do patrimônio declarado.
“A criatividade da corrupção é sempre impressionante”, afirma o doutor em Administração Pública da Fundação Getulio Vargas (FGV), Álvaro Martim Guedes. Apesar da nova legislação tentar inibir esses casos, avalia, nada impede que esse tipo de financiamento ilegal aconteça. “Todos os doadores de campanha, até então, tinham intenções de garantir a fidelidade do candidato a seus interesses, e esse processo está muito inibido. Agora estão pensando duas vezes antes de firmar esse compromisso.”
O cientista político Pedro Arruda, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), cita um dos exemplos de possibilidade de fraude. “A doação que antes era feita pela empresa agora será feita pelo empresário, assim é possível que se mantenha um esquema de caixa 2 e não declarar o valor doado”.
Contudo, Arruda acredita que a fiscalização será mais efetiva e que fica mais fácil responsabilizar criminalmente quando se trata de pessoas físicas. “Não adianta aperfeiçoar a lei se não houver mecanismos pra coibir abusos. Provavelmente depois da eleição ocorrerão denúncias sobre violação.”
Já Everaldo Moraes, cientista político da Universidade de Brasília (UNB), afirma que há um grande risco de financiamento clandestino com a nova lei. Segundo o estudioso candidatos que não têm acesso a recursos podem ser facilmente seduzidos por grupos não legítimos. “Como o recurso fica muito concentrado no partido, muitos candidatos não sabem de onde vem o dinheiro."
O PT deve ser um dos principais partidos a ser beneficiado com o fim das doações de empresas para campanhas. A legenda sempre defendeu a bandeira contra o financiamento privado e, mesmo com a crise do governo, continua tendo capacidade de mobilização, como aponta Pedro Arruda. “O PT pode conseguir captar recursos por meio de campanhas feitas por dirigentes de sindicato, movimentos estudantis, e o partido tem grande número de deputados atuando junto com as suas bases".
Os partidos com melhor estrutura sairão na frente nas eleições, como defende Everaldo Moraes. “Se imaginar que todos estarão com poucos recursos, aqueles com estrutura não precisarão gastar para montar o que já têm. Por exemplo, comitês sindicais podem ser usados como comitês eleitorais.” O especialista cita como exemplo os partidos que trabalham com movimentos de classe, que devem sentir menos o impacto do fim das doações por já terem uma militância organizada.
IG

Reações:

0 comentários: