quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Mais de 99% dos imóveis paraibanos são visitados no combate ao mosquito Aedes aegypti

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), encerra na próxima segunda-feira (29) o primeiro ciclo de visitas a imóveis na Paraíba para combater o mosquito Aedes aegypti. De acordo com o Relatório de Acompanhamento de Visitas aos Imóveis, desde o dia 4 de janeiro deste ano até agora, 99,25% dos imóveis paraibanos já foram trabalhados, o que corresponde a um total de 1.168.968
“A recomendação do Ministério da Saúde é que todo o Brasil se engaje nesta mobilização de combate ao mosquito Aedes aegypti. Reforçamos que todos os municípios paraibanos trabalhem para que, juntos, possamos lutar contra o Aedes e, consequentemente, todos os agravos que ele traz”, disse a gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Renata Nóbrega. Ela informou que, até o momento, apenas dois municípios do Estado não alimentaram o sistema com informações sobre as visitas. “Bonito de Santa Fé e Caiçara ainda não nos passaram os dados em relação às visitas aos imóveis. Essa atualização do sistema é muito importante para que tenhamos um controle das atividades que estão sendo realizadas”, alertou.
Renata ressaltou, ainda, a importância da participação de toda a sociedade: “Não adianta o agente passar em uma residência hoje, por exemplo, e os moradores não terem a consciência de que o cuidado deve ser diário. É preciso que a população dê continuidade à ação do governo e faça regularmente a inspeção de seus ambientes, não deixando água parada e evitando, assim, possíveis focos. Pelo menos uma vez por semana a população deve analisar seus imóveis para não permitir que o mosquito se prolifere”.
Para intensificar as atividades, o Estado conta com o apoio de profissionais de Exército Brasileiro, Corpo de Bombeiros, Marinha do Brasil, Polícia Militar, além dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Endemias. O trabalho com o Exército vem sendo realizado nos municípios de João Pessoa, Campina Grande, Cabedelo, Santa Rita e Bayeux. Com o Corpo de Bombeiros, a atividade está acontecendo nos municípios de Alhandra, Conde, Malta e Monteiro. Nos demais municípios, as visitas são realizadas pelos Agentes de Controle de Endemias (ACE).
O horário de atuação das equipes do Exército e Bombeiros está acontecendo em dias úteis, das 7h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30. Planejamento de ações – Os municípios devem planejar a realização de visitas a todos os imóveis urbanos (residências, comércios, indústrias, órgãos públicos, terrenos baldios) e infraestruturas públicas (praças, parques, jardins, bueiros).
De acordo com o técnico de Vigilância Ambiental da SES, Luiz Almeida, mesmo com a regularidade dos ciclos de visitas, a ação só vai lograr êxito se houver a participação de toda a população. “Mais de 90% dos focos do mosquito são encontrados dentro dos domicílios e peridomicílios (terrenos baldios, jardins, quintais). Cada um precisa tomar cuidado e fazer sua parte, porque esta é uma luta de toda a sociedade”, alertou. Aedes na Mira: O aplicativo “Aedes na Mira” foi lançado oficialmente pelo Governo do Estado da Paraíba em 16 de dezembro com o objetivo de agilizar o combate ao mosquito Aedes aegypti (transmissor da dengue, zika, chikungunya).
O aplicativo foi desenvolvido por meio de uma parceria entre a Secretaria de Estado da Saúde (SES) e a Companhia de Processamento de Dados da Paraíba (Codata), para celulares das plataformas android e IOS. Do aplicativo as demandas são enviadas, de forma imediata, para a Sala de Situação Estadual, localizada na sede da SES, na capital, de onde são encaminhadas para as Secretarias de Saúde dos municípios para as providências.
O aplicativo está disponível para celulares e todos os dispositivos móveis, que tenham as plataformas android ou iOS. Além do aplicativo, as denúncias podem ser feitas através da Central Telefônica (083 3218-7455 ou 0800 083 1341) e via WhatsApp (083 98822-8080). Para facilitar o processo, as pessoas podem encaminhar fotos para que a equipe da SES analise a demanda e as providências sejam tomadas rapidamente.
Com dois meses de funcionamento, até o dia 17 de fevereiro, o aplicativo já recebeu 604 denúncias da população sobre possíveis focos do vetor. Das denúncias registradas, 444 são de moradores da capital paraibana. Em Campina Grande foram registradas 48 denúncias, em Cabedelo 29 e em Patos 13.
Secom PB

Reações:

0 comentários: