sábado, 19 de março de 2016

Hoje, se vivo, Canhoto da Paraíba faria 90 anos

Hoje é um dia bem especial. 19 de março - Dia do nascimento de Francisco Soares de Araújo - o Canhoto da Paraíba, meu tio segundo. O músico e compositor Francisco Soares de Araújo, conhecido como Canhoto da Paraíba, nasceu de uma família de músicos – avô clarinetista, o pai tocava violão, os irmãos (nove) revezavam-se entre outros instrumentos – aos dezenove dias do mês de maio de 1928, na cidade de Princesa Isabel, sertão da Paraíba.
Canhoto da Paraíba é considerado por expoentes musicais brasileiros – Pixinguinha, Luperce Miranda, Dilermando Reis, Jacob do Bandolim, Radamés Gnatalli, Paulinho da Viola, entre outros – um violonista de primeira grandeza. Esse reconhecimento deve-se ao seu talento e à sua técnica de tocar o violão num estilo contrário ao da escola de violão convencional: do lado esquerdo, sem precisar inverter as cordas. Aliás, ele adotou essa técnica quando tinha 12 anos. O instrumento era compartilhado com os irmãos e, por isso, ele não podia transformá-lo num violão que somente os canhotos pudessem dedilhar. Desta forma, observava seu pai tocando e ia aprendendo. O curioso é que para escrever ele usava a mão direita; para chutar bola, o pé direito, mas para realizar qualquer outro serviço utilizava a mão esquerda, inclusive para tocar violão, cavaquinho e bandolim.
Sua trajetória musical iniciou-se em 1948, quando viajou para o Recife para participar de um programa na Rádio Clube de Pernambuco. Em 1953, assinou contrato com uma rádio da Paraíba. Nessa época, já havia formado um conjunto musical. Em 1958, mudou-se para o Recife e, no ano seguinte, numa excursão de músicos nordestinos, viajou para o Rio de Janeiro. Lá, ele participou de um sarau na famosa casa de Jacob do Bandolim, onde estava presente a nata do choro carioca. Canhoto da Paraíba tocou violão magistralmente e despertou o entusiasmo e a admiração de todos. Em 1998, Canhoto da Paraíba sofreu uma isquemia cerebral que paralisou o braço esquerdo e o impediu de tocar. No mês de maio deste mesmo ano, vários dos grandes nomes do chorinho e do samba realizaram um show beneficente no Teatro Guararapes, Recife, para ajudá-lo a cobrir as despesas médicas e de tratamento intensivo. Francisco Soares de Araújo, o Canhoto da Paraíba, foi um dos contemplados como Patrimônio Vivo de Pernambuco através da Lei estadual nº 12.196 de 2 de maio de 2002. Faleceu na cidade do Recife, no dia 24 de abril de 2008.
SB

Reações:

1 comentários:

CHICO FLORENCIO disse...

REGISTRO PARA A HISTORIA DE PRINCESA - Esta foi a única manifestação alusiva a data que se registrou em Princesa, refletindo o descaso com que a memória da cultura local é tratada. Mesmo com o alerta que dei a outros meios de imprensa local nehuma manifestação mais elaborada aconteceu. A exceção dos gatos do cemiterio, que passaram toda a noite miando ao pé do mausoléu do Canhoto, desconheço qualquer outro evento comemorativo da data. Não consigo ver nem o tunel onde está Princesa hoje, quanto mais a luz do seu final!