terça-feira, 26 de setembro de 2017

Opinião: O futuro de Lula à beira de recursos

Oficialmente o PT diz que a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é "irreversível" e "irrevogável". Como forma de confortar os fãs e devotos da figura política mais popular do nosso país. A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, afirmou que, mesmo que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) ratifique a condenação, Lula pode recorrer às instâncias superiores, deixando mais uma vez os lulanáticos confortáveis. Na realidade, no entanto, a percepção de que a Justiça dificilmente permitirá que Lula concorra pela sexta vez à Presidência é cada vez maior. Há inúmeras situações que mostram uma possível condenação e impedimento de Lula para concorrer as disputas eleitorais em 2018.
O ex-presidente vem recebendo inclusive orientações para que se prepare para esta possibilidade de não ser candidato e se dedique para elaborar um bom programa de governo para que um novo nome o substitua.
Lula chegou a comentar que alguém mais esperto que ele precisa aparecer dentro do PT, se não a chance do partido se acaba,tendo em vista as inúmeras condenações a cerca de outros nomes importantes do partido.
Lula também sabe que o cenário de 2018 está incerto pelas questões da reforma política e da judicialização da campanha. Na semana passada, em conversa com deputados estaduais do PT, o advogado Pedro Serrano, referência jurídica da esquerda, disse que, embora considere Lula inocente, acredita que o Judiciário sofre forte influência política e, portanto, a probabilidade maior é de que a condenação seja mantida.
Será mesmo que o judiciário só é ruim se vier casos ligados ao Lula. E se o judiciário se portar a outros nomes da política, com outros partidos, significa que age certo? Há uma incoerência nesta afirmação. O ato é que, as brechas da justiça amparam qualquer um. No caso de Lula há inúmeras possibilidades de recursos.
SB

Reações:

0 comentários: