quinta-feira, 2 de julho de 2020

Novidade tecnológica: whatsApp anuncia figurinhas animadas e vídeo-chamadas com até 8 pessoas

O aplicativo WhatsApp finalmente anunciou algumas mudanças que já vinham sendo especuladas por sites de tecnologia. Nesta quarta-feira (1º), o mensageiro mais popular do Brasil apresentou uma série de novos recursos, entre eles o modo escuro para versões web e desktop e um pacote de figurinhas animadas.

A partir de agora, o serviço também ganha a possibilidade de adicionar contatos utilizando códigos QR e melhorias nas chamadas de vídeo, que agora permitem o dobro de usuários simultâneos.
Os recursos ficam disponíveis nas próximas semanas e ocorrerá de forma gradual, conforme o anúncio oficial da plataforma nas redes sociais. 
Algumas funções já estão disponíveis em versões de testes, como o uso das figurinhas animadas, por exemplo, que foram liberadas para a avaliação na semana passada.
Figurinhas animadas
Já os novos stickers são semelhantes aos GIFs, já que são imagens que permanecem em movimento após serem enviadas. A diferença é que esses stickers terão galerias exclusivas do aplicativo, tal como as figurinhas estáticas, o que permite o envio mais rápido das imagens, além de facilitar a produção delas.
Adição de contatos
Apesar dessas duas boas novas, a grande novidade em termos de usabilidade fica com a adição de contatos utilizando códigos QR. O recurso que estava em fase de testes nos últimos meses será finalmente adotado pelo mensageiro e vai facilitar bastante a adição de contatos no mensageiro bastando que o usuário utilize a câmera do seu celular para ler o código exibido em outro aparelho.
Conversas de vídeo
Ainda segundo a Exame, em meio à pandemia, o WhatsApp resolveu voltar suas atenções para as chamadas de vídeo. Tão necessário em tempos e isolamento social, o recurso ganhou novidades e se tornará mais simples de ser manipulado em conversas com até oito pessoas. Uma das novidades será a possibilidade de preencher a tela do smartphone com a imagem somente de uma pessoa. Com informações da revista Exame.

Reações:

0 comentários: